Arquivo da categoria: Pensando

RPGzão das minas

Pode decote, pode minissaia, pode miniatura, só não pode babaquice

Pode decote, pode minissaia, pode miniatura, só não pode sexismo

Tudo começou assim: a página do Facebook “A Taverna” resolveu fazer uma gracinha sobre a presença de mulheres no RPG, e postou isso (caso tenha sido deletado, tente aqui). Sim, em pleno 2015 tem gente que acha que objetificar mulheres não cria protesto no mundo ocidental. Se foi ingenuidade ou má-fé, não posso julgar… mas tive que acordar o blog da animação suspensa para reiterar que: não, não é legal “demonstrar” a presença de mulheres no RPG associando-as à peitos. Entendam, não é. O uso deste tipo de piada merece um debate mais aprofundado, para além da polarização e de acusações de “feminazismo”, “manginismo”, “se fossem peitorais de guerreiro ninguém ligava” e bobeiras afins – e eu gostaria de ter uma discussão madura com os autores d’A Taverna, mas parece que vai ser impossível. Fica o apelo: este post não é um chamado para a guerra, é um convite à reflexão.

Não adianta dizer que “o sexismo está nos olhos de quem vê”, porque qualquer um que não tenha déficit visual enxergou as tetas da mocinha (que sequer ganhou um rosto na postagem). E não importa se a menina que tirou a foto queria  exibir o busto ou não; não é a conduta dela que está sendo discutida, e sim a de um grupo de pessoas que detêm certa legitimidade dentro do mundinho RPGista (fundamentada até pelos milhares de seguidores que possuem) ao usar deste tipo de discurso a esta altura do campeonato.

Então vou repetir: não. é. legal.

Não é inteligente, não é descolado, não é engraçadão, não demonstra que você lida bem com sua sexualidade, não é “adulto”. É apenas besta e comum. Já é tradicional na nossa sociedade usar do corpo das mulheres como metonímia do gênero (e, especificamente, daquelas porções erotizadas e em conformidade com os padrões de beleza), num reducionismo humilhante. A mulheres que jogam RPG não querem aparecer numa página de RPG apenas como peitos atrás de um pingente de d20 – queremos aparecer como autoras, como críticas, ou como personagens bem construídas que não tenham como principal característica a sexualidade. Diferente seria mesmo representar as mulheres para além destes velhos displays de peitos, decotes e bijuterias.

Então por favor lembrem-se disto, rapazes que porventura estejam lendo: é muito difícil para uma mulher quebrar paradigmas e se tornar jogadora de RPG. Então tente acolhê-la usando sua compreensão e respeito e não, ops, peitos.

Até porque algumas mulheres nem os tem. #transfobianão

E como o blog é para maiores, um resumo para quem tem preguiça de ler:

Sem créditos porque não sei quem criou a imagem

* * *

Editado em 08/02/15:

Um grupo de mulheres RPGistas lançou uma carta aberta à comunidade através do famoso site Livro dos Espelhos. Clique aqui para ler.

Caso você tenha feito algum post ou lido algo interessante que possa acrescentar conteúdo ao debate, coloque o link aqui nos comentários ou na página do Dado Violado no Facebook para que eu possa publicá-lo. 😉

Ouro de tolo

nhac!

Nem tudo que reluz é… pirita!

E chegamos em 2013. Para vocês terem uma idéia, eu comecei a rascunhar esse post em dezembro de 2012… anyway… vira e mexe acabo caindo em discussões sobre a famosa “Regra de Ouro”. Há quem defenda arduamente por aí tal diretriz, presente de uma forma ou de outra em vários RPGs, aclamando-a como “o” dogma/axioma/teorema/mandamento (marque um X no substantivo que mais lhe agradar) que rege universalmente o nosso hobby. Hum. Será mesmo?

Regra de Ouro, vocês sabem, é aquela que diz mais ou menos assim:

“Esta é a regra mais importante de todas, e a única que vale a pena seguir: Não existem regras. Este jogo deve ser tudo aquilo que você quer que ele seja (…) Se as regras neste livro interferirem com o seu prazer de jogar, mude-as.”
(Vampiro A Máscara revisado)

futebol

Parece fazer todo o sentido, e nós sabemos que é complicado falar em jeito “certo” ou “errado” de jogar, posto que cada grupo acaba por criar seu modus operandi, sem deixar de caracterizar o que fazem como “jogar RPG”. Muito legal. Só tem um problema: até que ponto dá pra mudar as regras da coisa e continuar jogando o mesmo jogo? Não digo RPG como metonímia, mas algum título em particular? O que eu vejo são pessoas modificando completamente aquilo que jogam, e usam da “Regra de Ouro” para justificar as coisas mais idiotas. É como se jogassem futebol sem bola. “Ei, o importante é que ainda temos 22 pessoas em campo, demos o nome de ‘futebol’, e estamos nos divertindo“.

pip

Eu não sou fiscal da diversão alheia, e no fim das contas você está mesmo jogando RPG (de modo geral) quando cria suas house rules. O lance é que não dá pra ficar resumindo tudo nisso, porque você pode empobrecer sua experiência de jogo. A estrutura mecânica pensada pelos designers, o setting escolhido por eles (quando o jogo não é “genérico), o “clima” do material… você precisa vivenciar tudo isso para realmente saborear o que está jogando da forma como aquilo foi imaginado por seus autores. Certamente a vivência de uma mesa de Call of Cthulhu sem Sanidade é completamente diferente daquilo que o jogo se propõe a fazer, por exemplo. Tem gente que gosta, claro. Mas tem gente que gosta de beber xixi – não sou eu quem vai dizer que é errado, mas posso argumentar que vinho do Porto tem todo um contexto histórico/cultural/gastronômico/biológico cuidadosamente elaborado para proporcionar uma experiência mais satisfatória sob todos estes paradigmas…

Talvez eu esteja demonstrando um certo purismo, mas não é esta minha intenção. Gosto de colocar a Regra de Ouro em cheque porque, de certa forma, ela desconstrói a essência do próprio RPG, daquilo que ela mesma se propõe a reger, o que a torna uma contradição. Eu acredito que a Regra de Ouro é uma chuva dourada (ops) capaz de diluir os elementos que compõe o RPG até não sobrar uma única molécula de jogo, quando utilizada ad nauseam. Afinal de contas, pra quê regras, cenários, climas, ambientações, fluff, dados, cartas, fichas, design de jogo, enfim, se existiria um princípio regulador único que diz que tudo isso é descartável?

Talvez seja só eu, mas excesso de descartabilidade me incomoda. Nada é sagrado – por isso mesmo tudo é sagrado – e assim nada é sagrado… Mas já estou divagando.

Tudo posso naquele que dorme em R’lyeh

Imagens meramente ilustrativas

* * *

Posts de outros blogs inspirados por este:
Tralhas RPGísticas da Graci
Pontos de Experiência

Eu tô achando isso tudo um tédio

Daí que a Record, aquela emissora de TV controlada por uma igreja, resolveu que os vilões de sua novelinha para adolescentes seriam jogadores de RPG. Calma, não é RPG como nós conhecemos, você vai constatar daqui a pouco…

A novelinha é uma versão nacional de “Rebelde”, aquela que nos atormentou uns anos atrás com a música “e soy rebeeeelde” (lembrou?). Não vou criticar artisticamente a coisa, até porque nem vejo nada de artístico na tal novela, mas gostaria de compartilhar um trecho da história com vocês. Eu também não vou tentar explicar que RPG não tem nada a ver com isso (vocês já sabem que não tem), e nem vou sugerir que seria positivo mostrar um grupo jogando de modo saudável – e realista. É chover no molhado, é perder tempo. Já ouviram a expressão “reclamar com o bispo”? Acho que ela nunca fez tanto sentido… Apenas agradeço São Sagan por ser maior de idade e por ter pais que não assistiram novela da Record.

“Vocês nunca ouviram falar em RPG?”

Bom, me parece óbvio que os “roteiristas” ouviram falar muito pouco, hehehe… de qualquer forma, repetindo um dos personagens da novela, eu tô achando isso tudo um tédio.

E vocês?

PS: e esses adolescentes com cara de mais velhos que eu? CASTING – you’re doing it wrong! xD

Ser ou não ser, eis a questão

I know who I am: I'm the dude playin' the dude, disguised as another dude!

No post sobre RPG & Mulheres, a Petra deixou um comentário que me intrigou. É claro que todo o feedback que eu recebi foi incrivelmente valioso (como falei no twitter, eu escrevo para LER, não para ser lida), mas é que ela acertou em cheio sobre o que eu já tinha planejado falar. Vejamos: Aproveitando o post para ser chata e contar uma vontade minha xD É que uma coisa sobre a qual gostaria de ver sua opinião um dia é a relação personagem/jogador e jogo/realidade, tipo, como quando um casal de personagens acaba gerando um casal entre players, ou quando jogador tem ciúmes de NPC, ou de outro jogador, brigas em on causam atritos em off, tristeza profunda pós-morte de personagem, coisas assim. Porque nem sempre dá pra separar o jogo, e por mais que conscientemente a pessoa saiba que é ficcção, as vezes não dá para não sentir algo…

Eu já falei sobre a dicotomia personagem x jogador algumas vezes em discussões perdidas pelo Orkut, e quase sempre a reação das pessoas é discordar de mim…. porque eu acho que é impossível dissociar-se por completo do personagem que estamos interpretando. Quase todas as definições de saúde mental que eu conheço (se não todas) encaram a empatia como um componente essencial do bem-estar psíquico e emocional – um sociopata é um indivíduo desprovido de empatia, por exemplo. Muitos biólogos já escreveram teses, tratados e livros sobre como somos seres sociais, demonstrando que provavelmente há um substrato biológico para a empatia. Alias, nossa sobrevivência como espécie depende desta capacidade de reconhecer as emoções alheias e nos colocarmos no lugar do outro – em resumo, empatia é conseguirmos sentir afetividade* de acordo com a situação do outro, independentemente da nossa.
*afetividade: atividade do psiquismo que constitui a vida emocional do ser humano

Se você não sente empatia nem por um cachorrinho sem perna...

Em certos aspectos, penso que a empatia é uma das “colas” que mantém a sociedade unida, pois a partir dela podemos nos comportar com justiça prescindindo de freios auto-impostos como religião ou punição criminal. Talvez você nunca tenha parado para pensar sobre isso, mas em certa medida até a arte depende da  nossa capacidade de sermos empáticos. Sem empatia, é impossível sentir qualquer coisa para além de nós mesmos, e acho que todos aqui no DV concordamos que essa seria uma vida emocionalmente paupérrima, de um narcisismo primário.

Valar Morghulis

Talvez pareça que estou falando de algum tipo de altruísmo inalcançável, mas a empatia aparece em coisas simples: por que você ri quando vê alguém dando risada? Por que fica bravo quando alguém lhe conta uma injustiça? Por que acha filhotes fofinhos? Por que fica triste quando vê sua mãe sofrer? Por que torce pela Arya? Porque você sente empatia. Ser solidário não é só entregar a vida aos pobres como fez a Madre Teresa, é também ajudar um cego na rua, engajar-se em trabalho voluntário ou frear o carro se um cachorro atravessa a pista. Outra coisa interessante sobre a empatia é que, apesar de ser uma habilidade inata, ela requer maturidade e muitas vezes um exercício consciente da gentileza. Crianças muito pequenas ainda não conseguem distinguir onde elas terminam e onde começa o mundo (o outro) – então são egoístas com suas posses, do brinquedo à mãe. Mas a maturação intelectual e psíquica, quando saudável, vem acompanhada do florescimento da empatia.

“Tá Livia. Mas cansei da aulinha chata de Antropologia/Psicologia/Sociologia. Pára de viajar e me diz: o que isso tem a ver com o RPG?” Isso tem TUDO a ver com RPG: se você é um ser dotado de empatia, capaz de reconhecer e sentir as emoções alheias, como é que vai se separar totalmente do personagem que você representa? Eu sei que a vida toda você deve ter ouvido que “isso é só um jogo, você não é um vampiro” (e você não é MESMO um vampiro!), mas não se sinta culpado(a) nem doente se ficar chateado(a) quando seu personagem morrer ou não conseguir realizar algo. Faz parte da experiência de jogo sentir empatia pela criatura que nasceu da sua ficha. Não é meu objetivo aqui falar de técnicas de representação teatral, mas algumas delas preconizam que busquemos em nós mesmos algum correlato emocional próprio para conseguir fazer com que a emoção do personagem seja crível. Na minha experiência com RPG, muitos jogadores fazem isso naturalmente (talvez venha daí o papel catártico do jogo para muitas pessoas), o que só aprofunda o vínculo entre personagem e jogador.

Não tem nada de errado em se frustrar quando o personagem se frustra, em sofrer quando ele sofre, em se regozijar quando ele é bem-sucedido, ou até passar por algum tipo de luto quando ele morre. Na verdade, isso é um sinal de saúde mental, como eu expliquei lá em cima. Ser completamente incapaz de colocar-se no lugar do seu personagem – que não só está “vivo” durante o jogo, como foi você quem lhe deu esta “vida” – pode ser um sinal de que algo não vai bem com você. E assim o oposto também indica algum problema: ser incapaz de separar a sua personalidade daquela que você está representando (e por consequência, separar a realidade da ficção) não é algo sugestivo de maturidade e saúde psíquicas.

Conforme envelhecemos, vai ficando moleza distinguir nossa identidade daquela do personagem, mas quando somos jovens não é incomum ver nas mesas todo tipo de picuinha por coisas que só acontecem dentro do jogo. Na minha visão, não tem problema, desde que a coisa não degringole para nada mais alarmante que uma discussão ou alguns dias “de mal” do coleguinha. É experimentando, errando e debatendo que a gente aprende. Agora, não dá para acabar com uma amizade ou agredir fisicamente alguém por causa de uma brincadeira, sejamos racionais. Assim como não tem graça nenhuma usar a mesa de jogo para punir ou manipular os demais jogadores – em pouco tempo você vai acabar com a diversão. E aqui entra ainda a questão dos relacionamentos que surgem na mesa de jogo. Bom, se é possível encontrar um amor na escola, no clube, na balada, no trabalho, por que não poderíamos encontrá-lo rolando uns dadinhos? A dica é a mesma: empatia sim, excesso não. Você pode até usar da lábia do seu PC para conquistar o objeto do seu desejo, mas não vale insistir se não deu rock, nem querer trazer todas as questões do relacionamento para a aventura dos outros, pois o preço a se pagar é sempre o fim da diversão. E pra quê jogar se não está sendo agradável?

É por isso que você precisa estar com a cabeça em dia para jogar: se a experiência na mesa for profunda, se a imersão for eficaz, é preciso emergir da narrativa com sua psique intacta. No fim das contas, você não precisa se desligar automaticamente do personagem ao término do jogo, como se as vivências dele não representassem nada para você – mas precisa fazê-lo quando não estiver jogando. Conversar sobre a sessão que acabou de rolar é um bom jeito de “sair aos poucos” do personagem, aproveitando até para dar significado para a trajetória do mesmo. É claro que a imensa maioria dos jogadores é saudável e/ou tem suporte emocional para conseguir, inclusive num “ato reflexo”, sentir empatia pelo personagem e ter consciência de que ele é apenas ficção. Mas é preciso estar atento para quem não demonstra essa capacidade, e se necessário buscar ajuda.

Eu comecei o post com uma cena do filme “Trovão Tropical”. Assistam sem preconceitos: é uma comédia bem-feita e metalinguística com uma crítica inteligente sobre Hollywood. Na história, Robert “Iron Man” Downey Jr é um ator australiano que se transforma em negro para interpretar um dos militares do filme que se passa dentro do filme. Na antológica cena em questão, ele tem uma epifania existencial e… ah, assistam e pensem na sua mesa de jogo.

Apêndice 1
Já pensou que no RPG não só você interpreta um personagem como geralmente é responsável pela gênese do mesmo? Você é autor e ator ao mesmo tempo, muitas vezes por meses ou até anos. Acho que é totalmente compreensível que você se apegue à sua criação.

Apêndice 2
Existe uma forma terapêutica de roleplay voltada para quem passa por sofrimento mental: é o Psicodrama, um tipo de terapia. Leiam à respeito, se tiverem curiosidade.

Apêndice 3

PELAMORDECTHULHU, hein?

Usar a mesa de jogo para cantar outro jogador pode ser legal se for feito com muita moderação e respeito, sem forçar a barra e sem constranger o resto da mesa. Sugestão: convide o alvo para jogar um RPG “de dois”, como o sensacional “Breaking the Ice” – que é exatamente sobre relacionamentos amorosos! Muito mais legal. Mas saiba ouvir um “não” sem estragar a amizade. Já se a coisa der certo,  PELAMORDECTHULHU, não use a mesa para fazer DR e muito menos para privilegiar o(a) parceiro(a).

Imagens meramente ilustrativas.

Cadê o limite que estava aqui?

De que limite estamos falando, mesmo?

Eles não me contaram sobre o resto, mas certamente eles sabiam do que se tratava. Os caras na Inteligência do Novo Governo da Terra não são idiotas. Mas se eles tivessem me contado tudo, eu jamais teria sido voluntário. Eu até esperava tatuagens ou algum rito de passagem. Mas piercings extremos e escarificação são algo completamente diferente. Meus dentes foram todos afiados. Não sei há quanto tempo não vejo um espelho, mas tenho certeza de que não pareço mais humano. Não que eu me sinta depois de tudo o que tive de fazer. Ajudei a exterminar vilas inteiras, torturar brutalmente e matar pessoas inocentes. Comi carne humana – repetida e regularmente. Estuprei mulheres até a morte. E fiz pior com crianças depois de elas já estarem mortas.
(CthulhuTech rulebook, pg 203)

O que diriam os “ativistas” anti-D&D se soubessem o que habita os jogos mais ‘desconhecidos’? Você não precisa baixar um pdf de F.A.T.A.L. (com suas regras de elasticidade anal) para se deparar com violência, heresia, sexo, perversão e todo tipo de tema-apavora-mãe dando sopa e esperando o momento certo para aparecer na sua mesa de jogo.

Os radicais americanos têm um horror atávico a tudo que lembre “Fantasia” (acho que, se pudessem, ainda estariam queimando “bruxas” no intervalo das aulas de Criacionismo [projeção? rs]), mas há muito mais disponível do que magos com bolas de fogo, vampiros arrependidos ou monstros destruidores de cidade para os jogadores de RPG. Não que eu queira oferecer munição aos haters, mas e aí, é possível trazer para a mesa de jogo pedofilia e estupro? Ou amor e traição? Aliás, vale a pena abordar esses temas? Como fazê-lo? E, acima de tudo, tem um limite para isso?

Keith e Kevin sempre foram cruéis comigo. Eles eram gêmeos, e meus irmãos mais velhos, mas não poderiam ser mais diferentes de mim. Baixos quando eu era alta, morenos quando eu era loira. Algumas lembranças são mais dolorosas que outras; como quando eles mataram meu cachorro Sparky e colocaram sua cabeça decepada sobre a minha cama. Ou quando eles me amarraram no estábulo e me bateram com o chicote do cavalo. E quando eles me forçaram a vê-los abrindo a barriga de nossa gata grávida e a deixaram sangrar até morrer. Eles me trancaram no porão com o cadáver da gata, que atraiu os ratos. Quando eu fiquei mais velha, Kevin me forçou a fazer coisas com ele, que ele disse que todo mundo fazia com irmãos mais velhos. Eu fiquei terrivelmente confusa e envergonhada, e pensei em me matar.
(Kult rulebook, pg 33-34)

Quando eu era adolescente, minha mãe dizia que as sessões de jogo com meus amigos eram “a catarse dos nerds”. Nunca fui uma excluída social (apesar de tudo), mas um jogo de RPG pode ser encarado como uma experiência catártica, além de simples passatempo – e aí a temática madura cai como uma luva de lâminas na mão do Freddy Krueger. Experimentar a transgressão num ambiente seguro e virtual (no sentido de fictício) é uma forma de libertação, e provavelmente é o mais interessante nesta história de acrescentar a parte maligna do mundo nos nossos jogos.

Além da possibilidade de vivenciar o medo e o nojo de forma segura, incluir temas muito cabeludos nos jogos também serve para torná-los mais realistas – e às vezes é bom fugir do escapismo da fantasia tradicional, trazendo para o nosso grupo de jogo (que geralmente é nosso grupo de amigos) a possibilidade de discutir coisas como preconceito, maldade, sexo.  Eu acredito na força da palavra e, sendo o RPG um jogo calcado no discurso, me parece imperdível a oportunidade de resgatar esses temas que nós gostamos de manter guardadinhos no fundo de algum armário psíquico/emocional.

Outro bom motivo para falar de assuntos difíceis é aprender a torná-los mais palatáveis na vida real. Claro que aqui eu não falo de estupro e ultra-violência, mas é interessante conseguir conversar sobre sexo e sentimentos (sim, sentimentos são temas pouco explorados nos jogos de RPG – seria por algum vício machista?) com mais naturalidade. Tanto para homens quanto para mulheres, e principalmente num grupo misto – pode ser uma ocasião única para observar as reações dos outros e aprender com elas.

Quais dos seguintes pecados seu personagem cometeu?
Escolha nenhum, um, qualquer um, ou todos eles:
Adultério
Blasfêmia
Idolatria
Assassinato
Motim
Estupro
Roubo
Sodomia
Você pode contar o mesmo pecado duas vezes, se o seu personagem anda pecando de modo prolongado, repetido, excessivo e sem remorso, e o vem fazendo até hoje.
(Poison’d A Pirate RPG, pg 4)

“Tudo bem, eu entendo seu ponto de vista, Livia. Mas COMO falar disso na mesa sem deixar ninguém sem graça? Sem fazer todo o grupo pensar que sou um(a) tarado(a)?” É só lembrar do “poder das palavras” (auto-ajuda style, hehehe) e chamar o pessoal para conversar, ver o que cada um espera da sessão, se todos estão dispostos a acrescentar novas camadas ao jogo, torná-lo mais denso. Convide a galera a ler o DV, por exemplo. Na minha experiência, muitos grupos se tornam mais profundos com o simples passar do tempo, naturalmente. Mas em outros pode ser necessário verbalizar esse anseio, e não tem nada de errado nisso. O importante é entrar em consenso.

Clique e reflita a respeito

Não dá para chegar com a contracapa do clanbook Tzimisce na sua mesa de Tormenta que só joga aventuras infantis no mundo do chocolate e querer obrigar o pessoal a interpretar vampiros assassinos que só se alimentam de bebês. Transgredir é legal, ser exageradamente agressivo não – aliás, optar pelo excesso não vai trazer maturidade à mesa, pelo contrário: é das crianças que esperamos tanta inconsequência. E o limite entre transgressão e babaquice é individual, por isso você precisa ir com cautela, respeitar os desejos do grupo, avaliar limites de idade, limites de crença religiosa… para saber até onde sua mesa está disposta a ir, é preciso avançar com cuidado e paciência. Algumas pessoas só querem mesmo passar algumas horas num “mundo melhor”, onde a honra ainda vale alguma coisa, e isso não faz de ninguém um tolo imaturo.

“Ih, Livia… minha mesa só tem maluco, já estamos decapitando bebês há séculos. O que fazer?” Parar e pensar. Além do batido conselho de conversar com o grupo, tentar entender porque tanta “fleuma“. Será que a violência está sendo usada sem conexão com a realidade? Será que os personagens aparecem como capangas de vídeo-game, sem passado ou presente que os torne seres palpáveis e que causem empatia nos jogadores? Praticamente todo jogo propõe punições para personagens que se tornem excessivamente degenerados – será que o mestre do seu grupo está fazendo valer essas regras? Pense no mundo real: ninguém tolera o terror por muito tempo, as pessoas se revoltam e de alguma forma tentam encontrar o equilíbrio. Talvez seja hora de colocar os NPCs como antagonistas mais fortes. É claro que o seu grupo pode simplesmente gostar do deboche – aí, caso você esteja se sentindo deslocado(a) e não veja como mudar, talvez seja hora de mudar de grupo.

Under my Skin (Sob a Minha Pele) é um jogo sobre fé, amor e compromisso. Neste jogo, você interpreta um personagem que está num relacionamento, mas sente atração por outra pessoa. Os jogadores exploram os medos que os personagens experimentam sobre perda e traição, e navegam pelos complicados dilemas da franqueza, confiança e comunicação que desafiam todos os relacionamento de tempos em tempos.
(…)
Este jogo requer que os jogadores  falem sobre questões emocionais sérias durante o mesmo. Por favor, jogue com consciência, e divirta-se perigosamente.
(Under my Skin, pg 5)

Apêndice 1
Outra forma de abordar uma temática mais adulta é através da ficção. Discuta obras com um conteúdo mais realista e “mundano”, como os livros da série “Crônicas de Gelo & Fogo” (fantasia medieval), os livros da Marion Zimmer Bradley (tem de ficção arturiana a ficção científica) ou filmes como “Conquista Sangrenta” (fantasia medieval para crescidinhos). Enquanto todo mundo quiser repetir “O Senhor dos Anéis”, não dá para colocar orcs estupradores na aventura. Obs: eu amo Tolkien assim mesmo.

Imagens meramente ilustrativas