Arquivo da tag: CthulhuTech

Cadê o limite que estava aqui?

De que limite estamos falando, mesmo?

Eles não me contaram sobre o resto, mas certamente eles sabiam do que se tratava. Os caras na Inteligência do Novo Governo da Terra não são idiotas. Mas se eles tivessem me contado tudo, eu jamais teria sido voluntário. Eu até esperava tatuagens ou algum rito de passagem. Mas piercings extremos e escarificação são algo completamente diferente. Meus dentes foram todos afiados. Não sei há quanto tempo não vejo um espelho, mas tenho certeza de que não pareço mais humano. Não que eu me sinta depois de tudo o que tive de fazer. Ajudei a exterminar vilas inteiras, torturar brutalmente e matar pessoas inocentes. Comi carne humana – repetida e regularmente. Estuprei mulheres até a morte. E fiz pior com crianças depois de elas já estarem mortas.
(CthulhuTech rulebook, pg 203)

O que diriam os “ativistas” anti-D&D se soubessem o que habita os jogos mais ‘desconhecidos’? Você não precisa baixar um pdf de F.A.T.A.L. (com suas regras de elasticidade anal) para se deparar com violência, heresia, sexo, perversão e todo tipo de tema-apavora-mãe dando sopa e esperando o momento certo para aparecer na sua mesa de jogo.

Os radicais americanos têm um horror atávico a tudo que lembre “Fantasia” (acho que, se pudessem, ainda estariam queimando “bruxas” no intervalo das aulas de Criacionismo [projeção? rs]), mas há muito mais disponível do que magos com bolas de fogo, vampiros arrependidos ou monstros destruidores de cidade para os jogadores de RPG. Não que eu queira oferecer munição aos haters, mas e aí, é possível trazer para a mesa de jogo pedofilia e estupro? Ou amor e traição? Aliás, vale a pena abordar esses temas? Como fazê-lo? E, acima de tudo, tem um limite para isso?

Keith e Kevin sempre foram cruéis comigo. Eles eram gêmeos, e meus irmãos mais velhos, mas não poderiam ser mais diferentes de mim. Baixos quando eu era alta, morenos quando eu era loira. Algumas lembranças são mais dolorosas que outras; como quando eles mataram meu cachorro Sparky e colocaram sua cabeça decepada sobre a minha cama. Ou quando eles me amarraram no estábulo e me bateram com o chicote do cavalo. E quando eles me forçaram a vê-los abrindo a barriga de nossa gata grávida e a deixaram sangrar até morrer. Eles me trancaram no porão com o cadáver da gata, que atraiu os ratos. Quando eu fiquei mais velha, Kevin me forçou a fazer coisas com ele, que ele disse que todo mundo fazia com irmãos mais velhos. Eu fiquei terrivelmente confusa e envergonhada, e pensei em me matar.
(Kult rulebook, pg 33-34)

Quando eu era adolescente, minha mãe dizia que as sessões de jogo com meus amigos eram “a catarse dos nerds”. Nunca fui uma excluída social (apesar de tudo), mas um jogo de RPG pode ser encarado como uma experiência catártica, além de simples passatempo – e aí a temática madura cai como uma luva de lâminas na mão do Freddy Krueger. Experimentar a transgressão num ambiente seguro e virtual (no sentido de fictício) é uma forma de libertação, e provavelmente é o mais interessante nesta história de acrescentar a parte maligna do mundo nos nossos jogos.

Além da possibilidade de vivenciar o medo e o nojo de forma segura, incluir temas muito cabeludos nos jogos também serve para torná-los mais realistas – e às vezes é bom fugir do escapismo da fantasia tradicional, trazendo para o nosso grupo de jogo (que geralmente é nosso grupo de amigos) a possibilidade de discutir coisas como preconceito, maldade, sexo.  Eu acredito na força da palavra e, sendo o RPG um jogo calcado no discurso, me parece imperdível a oportunidade de resgatar esses temas que nós gostamos de manter guardadinhos no fundo de algum armário psíquico/emocional.

Outro bom motivo para falar de assuntos difíceis é aprender a torná-los mais palatáveis na vida real. Claro que aqui eu não falo de estupro e ultra-violência, mas é interessante conseguir conversar sobre sexo e sentimentos (sim, sentimentos são temas pouco explorados nos jogos de RPG – seria por algum vício machista?) com mais naturalidade. Tanto para homens quanto para mulheres, e principalmente num grupo misto – pode ser uma ocasião única para observar as reações dos outros e aprender com elas.

Quais dos seguintes pecados seu personagem cometeu?
Escolha nenhum, um, qualquer um, ou todos eles:
Adultério
Blasfêmia
Idolatria
Assassinato
Motim
Estupro
Roubo
Sodomia
Você pode contar o mesmo pecado duas vezes, se o seu personagem anda pecando de modo prolongado, repetido, excessivo e sem remorso, e o vem fazendo até hoje.
(Poison’d A Pirate RPG, pg 4)

“Tudo bem, eu entendo seu ponto de vista, Livia. Mas COMO falar disso na mesa sem deixar ninguém sem graça? Sem fazer todo o grupo pensar que sou um(a) tarado(a)?” É só lembrar do “poder das palavras” (auto-ajuda style, hehehe) e chamar o pessoal para conversar, ver o que cada um espera da sessão, se todos estão dispostos a acrescentar novas camadas ao jogo, torná-lo mais denso. Convide a galera a ler o DV, por exemplo. Na minha experiência, muitos grupos se tornam mais profundos com o simples passar do tempo, naturalmente. Mas em outros pode ser necessário verbalizar esse anseio, e não tem nada de errado nisso. O importante é entrar em consenso.

Clique e reflita a respeito

Não dá para chegar com a contracapa do clanbook Tzimisce na sua mesa de Tormenta que só joga aventuras infantis no mundo do chocolate e querer obrigar o pessoal a interpretar vampiros assassinos que só se alimentam de bebês. Transgredir é legal, ser exageradamente agressivo não – aliás, optar pelo excesso não vai trazer maturidade à mesa, pelo contrário: é das crianças que esperamos tanta inconsequência. E o limite entre transgressão e babaquice é individual, por isso você precisa ir com cautela, respeitar os desejos do grupo, avaliar limites de idade, limites de crença religiosa… para saber até onde sua mesa está disposta a ir, é preciso avançar com cuidado e paciência. Algumas pessoas só querem mesmo passar algumas horas num “mundo melhor”, onde a honra ainda vale alguma coisa, e isso não faz de ninguém um tolo imaturo.

“Ih, Livia… minha mesa só tem maluco, já estamos decapitando bebês há séculos. O que fazer?” Parar e pensar. Além do batido conselho de conversar com o grupo, tentar entender porque tanta “fleuma“. Será que a violência está sendo usada sem conexão com a realidade? Será que os personagens aparecem como capangas de vídeo-game, sem passado ou presente que os torne seres palpáveis e que causem empatia nos jogadores? Praticamente todo jogo propõe punições para personagens que se tornem excessivamente degenerados – será que o mestre do seu grupo está fazendo valer essas regras? Pense no mundo real: ninguém tolera o terror por muito tempo, as pessoas se revoltam e de alguma forma tentam encontrar o equilíbrio. Talvez seja hora de colocar os NPCs como antagonistas mais fortes. É claro que o seu grupo pode simplesmente gostar do deboche – aí, caso você esteja se sentindo deslocado(a) e não veja como mudar, talvez seja hora de mudar de grupo.

Under my Skin (Sob a Minha Pele) é um jogo sobre fé, amor e compromisso. Neste jogo, você interpreta um personagem que está num relacionamento, mas sente atração por outra pessoa. Os jogadores exploram os medos que os personagens experimentam sobre perda e traição, e navegam pelos complicados dilemas da franqueza, confiança e comunicação que desafiam todos os relacionamento de tempos em tempos.
(…)
Este jogo requer que os jogadores  falem sobre questões emocionais sérias durante o mesmo. Por favor, jogue com consciência, e divirta-se perigosamente.
(Under my Skin, pg 5)

Apêndice 1
Outra forma de abordar uma temática mais adulta é através da ficção. Discuta obras com um conteúdo mais realista e “mundano”, como os livros da série “Crônicas de Gelo & Fogo” (fantasia medieval), os livros da Marion Zimmer Bradley (tem de ficção arturiana a ficção científica) ou filmes como “Conquista Sangrenta” (fantasia medieval para crescidinhos). Enquanto todo mundo quiser repetir “O Senhor dos Anéis”, não dá para colocar orcs estupradores na aventura. Obs: eu amo Tolkien assim mesmo.

Imagens meramente ilustrativas